Factos Básicos sobre o Bolor e a Humidade

Quão comum é o bolor nos prédios?

O bolor é muito comum em prédios e casas. O bolor irá crescer em locais com muita humidade, por exemplo à volta de fendas nos telhados, janelas ou canos, ou onde tiver ocorrido inundação. O bolor cresce bem em produtos de papel, cartão, telhas de telhados e produtos de madeira. O bolor também pode crescer no pó, tintas, papéis de parede, isolamento, pladur, alcatifas, tecido e estofos.

Os tipos de bolor interior mais comuns são CladosporiumPenicillium e Aspergillus.  Não temos informação precisa sobre com que frequência se encontra bolor nos edifícios ou casas.

Como é que o bolor entra no ambiente interior e como é que este se desenvolve?

O bolor encontra-se em ambientes interiores e exteriores. O bolor pode entrar na sua casa através de portas, janelas, respiradouros abertos e por sistemas de aquecimento e ar condicionado. O bolor no ar exterior também se pode prender ao vestuário, calçado e animais de estimação que podem ser e são transportados para os ambientes interiores. Quando os esporos do bolor caem em locais onde existe excesso de humidade, tais como, onde existem infiltrações no teto, canalizações, paredes, vasos de plantas ou tenha ocorrido uma inundação, o bolor irá desenvolver-se. Muitos materiais de edifícios proporcionam nutrientes adequados que encorajam o bolor a desenvolver-se. Materiais de celulose húmidos, incluindo papel e produtos de papel, cartão, telhas de telhado, madeira e produtos de madeira, são especialmente favoráveis para o crescimento de alguns tipos de bolor. Outros materiais como pó, tintas, papel de parede, materiais de isolamento, pladur, alcatifas, tecido e estofos, normalmente ajudam ao desenvolvimento do bolor.

Como posso saber se tenho um problema de bolor?

As grandes infestações de bolor é algo que se consegue ver ou cheirar.

De que modo o bolor afeta as pessoas?

A exposição à humidade e a ambientes com bolor pode causar diversos efeitos sobre a saúde, ou pode não causar nenhum. Algumas pessoas são sensíveis ao bolor. Para estas pessoas, a exposição ao bolor pode causar sintomas como congestão nasal, pieira e olhos ou pele irritados ou com comichão. Algumas pessoas, como as que têm alergias aos bolores ou com asma*, podem ter reações mais intensas. Podem ocorrer reações graves em trabalhadores expostos a grandes quantidades de bolores em ambientes laborais, como os agricultores que trabalham à volta de feno com bolor. As reações graves podem incluir febre e falta de ar.

Em 2004, o Institute of Medicine (IOM) descobriu que havia provas suficientes para relacionar a exposição ao bolor em ambientes interiores com sintomas do aparelho respiratório superior, tosse e pieira, em pessoas que, de outro modo, seriam saudáveis; a sintomas de asma em pessoas com asma; e com pneumonite de hipersensibilidade em indivíduos suscetíveis a contrair essa doença imunomediada.

Em 2009, a Organização Mundial de Saúde lançou orientações adicionais: WHO Guidelines for Indoor Air Quality: Dampness and Mould* pdf icon[PDF – 2.65 MB]external icon. (Diretivas da OMS para a Qualidade do Ar em Ambientes Interiores: Humidade e Bolor). Outros estudos recentes sugeriram uma potencial relação entre a exposição precoce ao bolor e o desenvolvimento de asma em algumas crianças, em particular entre crianças que podem ser geneticamente suscetíveis ao desenvolvimento de asma, e que intervenções que melhoram as condições habitacionais conseguem reduzir a morbilidade da asma e das alergias respiratórias.

Não foi comprovada uma relação entre outros efeitos adversos para a saúde, tais como a hemorragia pulmonar idiopática aguda em bebés*, perda de memória, ou letargia, e os bolores, incluindo o bolor Stachybotrys chartarum*. São necessários mais estudos para descobrir o que causa a hemorragia idiopática aguda e outros efeitos adversos para a saúde.

Não existe um teste sanguíneo para o bolor.  Alguns médicos conseguem fazer testes a alergia para possíveis alergias ao bolor, mas não existem testes clinicamente comprovados que consigam indicar quando ou onde ocorreu uma exposição específica ao bolor.

Quem está em maior risco de problemas de saúde associados a exposição ao bolor?

As pessoas com alergias podem ser mais sensíveis ao bolor. As pessoas com imunodepressão ou doença pulmonar subjacente são mais suscetíveis a infeções fúngicas. As pessoas com doença respiratória crónica (por ex., doença pulmonar obstrutiva crónica, asma) podem ter dificuldade em respirar. As pessoas com imunodepressão têm maior risco de ter infeção por bolor. Se você ou os seus familiares tiverem estas condições, deverá consultar um médico qualificado para diagnóstico e tratamento.

Como manter o bolor afastado de prédios e casas?

Inspecione os prédios para deteção de sinais visíveis de danos por água e bolor como parte da rotina de manutenção do edifício. Corrija as condições que conduzem ao desenvolvimento de bolor (por ex., fugas de água, condensação, infiltração ou inundação).

Dentro da sua casa, é possível controlar o crescimento do bolor:

  • Controlando os níveis de humidade;
  • Consertando prontamente telhados, janelas e canos com fugas;
  • Limpando minuciosamente e secando após inundações;
  • Ventilar áreas de chuveiro, lavandarias e cozinhas.

Recomendações específicas:

  • Mantenha os níveis de humidade no nível mais baixo que conseguir, entre 30% e 50%, durante todo o dia. Um aparelho de ar condicionado ou desumidificador irá ajudá-lo a manter o nível baixo. Tenha em mente que os níveis de humidade se alteram ao longo de um dia com as mudanças de humidade do ar e da temperatura do ar, por isso terá de verificar os níveis de humidade mais do que uma vez por dia.
  • Use um aparelho de ar condicionado ou um desumidificador durante os meses húmidos.
  • Certifique-se de que a sua casa possui ventilação suficiente. Use exaustores que ventilem para o exterior na cozinha e no quarto de banho. Certifique-se de que a sua secadora de roupa ventila para fora de sua casa.
  • Conserte quaisquer fugas no telhado, paredes ou canalizações da sua casa, de modo a que o bolor não tenha humidade onde crescer.
  • Considere a possibilidade de não usar tapetes em divisões ou zonas como os quartos de banho ou caves, que têm muita humidade.

Como eliminar bolor de prédios, incluindo casas, escolas e locais de trabalho?

O bolor que se desenvolve em casas e prédios indica que existe um problema de água ou humidade. Este é o primeiro problema a abordar.

Remova os artigos com bolor das áreas habitáveis. Quando o bolor começa a desenvolver-se em alcatifas, isolamento, telhas de telhado, pladur ou paredes de gesso, a única maneira de lidar com o problema é a remoção e substituição.

É importante limpar e secar adequadamente a área pois ainda pode desenvolver uma reação alérgica a partes do bolor morto e a contaminação por bolor pode voltar a ocorrer se ainda existir uma fonte de humidade.

Deve remover ou substituir os tapetes e estofos que tenham ficado encharcados e não se possam secar rapidamente.

Limpe e seque minuciosamente e rapidamente a sua casa (até 24 a 48 horas) após qualquer inundação. Retire a lama e sujidade. Utilize um aspirador com capacidade para aspirar líquidos para remover a sujidade restante. Esfregue as superfícies laváveis (tais como madeira, azulejo, pedra) com água com detergente e uma escova de cerdas. Limpe minuciosamente todas as superfícies rígidas (tais como pisos, frisos, mobiliário de madeira e metal, bancadas e lavatórios ou lava-loiças) com água e detergente da loiça. Seque as superfícies rapidamente e por completo após a limpeza. Se tiver uma ventoinha, ar condicionado ou desumidificador que não tenha sido afetado pela inundação, utilize para ajudar a secar as superfícies após terminar a limpeza.

O crescimento de bolor pode ser removido de superfícies rígidas com produtos comerciais, água e sabão, ou uma solução de lixívia* de não superior a 1 copo (8 onças) de lixívia para 4 litros de água para remover o bolor de superfícies. Nunca misture lixívia com amoníaco ou outros produtos de limpeza doméstica.

Se decidir usar lixívia para limpar o bolor:

  • Nunca misture lixívia com amoníaco ou outros produtos de limpeza doméstica. Misturar lixívia com amoníaco ou outros produtos de limpeza irá produzir vapores tóxicos perigosos.
  • Abra janelas e portas para fornecer ar fresco.
  • Use luvas não porosas e use equipamento de proteção para os olhos.
  • As pequenas áreas (como um chuveiro ou uma área do tamanho de uma porta) podem ser limpas frequentemente pelos residentes, mas as áreas maiores podem precisar de uma ajuda mais profissional. Siga sempre as instruções do fabricante ao usar lixívia ou quaisquer outros produtos de limpeza.

Se tem uma quantidade extensa de bolor e acha que não consegue gerir a limpeza por si próprio, pode considerar entrar em contacto com um profissional com experiência na limpeza de bolor em prédios e casas.

Há circunstâncias em que as pessoas devem sair de uma casa ou prédio por causa do bolor?

Estas decisões têm de ser tomadas de forma individual. Se crê que está doente devido à exposição a bolor no edifício, deve consultar o seu médico de modo a determinar a ação apropriada a tomar.

Encontrei bolor a crescer na minha casa, como testo o bolor?

Se conseguir ver ou cheirar o bolor, pode existir um risco para a saúde. Não precisa de conhecer o tipo de bolor que cresce em sua casa, e o CDC (CCD) não recomenda nem realiza amostragens de rotina para bolor. Independentemente do tipo de bolor que está presente, deve sempre removê-lo. Uma vez que o efeito do bolor sobre as pessoas pode variar muito, seja devido à quantidade ou ao tipo de bolor, não poderá contar com amostragens e culturas para conhecer o seu risco para a saúde.

Um laboratório ambiental qualificado colheu amostras do bolor na minha casa e deu-me os resultados. O CDC pode interpretar estes resultados?

Ainda não foram estabelecidas normas para o que é uma quantidade aceitável, tolerável ou normal de bolor. Uma boa amostragem para bolores pode ser cara, e ainda não foram definidas normas para avaliar o que é e o que não é uma quantidade aceitável de bolor. A melhor prática consiste em remover o bolor e trabalhar para impedir um crescimento futuro.  Se decidir custear a amostragem ambiental de bolores, antes de começar o trabalho, deve pedir aos consultores que irão realizar o trabalho que estabeleçam critérios para interpretar os resultados dos testes. Deverão dizer-lhe antecipadamente o que fazer ou que recomendações irão fazer com base nos resultados da amostragem. Os resultados de amostras colhidas na sua situação única não podem ser interpretados sem a inspeção física da área contaminada ou sem considerar as características do edifício e os fatores que levaram à situação presente.

Ouvi falar sobre “bolor tóxico” e “bolor preto” que cresce nas casas e outros edifícios. Devo preocupar-me sobre isso representar um risco de saúde grave para mim e para a minha família?

Há sempre um pouco de bolor em qualquer lugar – no ar e em muitas superfícies.

Determinados tipos de bolor são toxigénicos, o que significa que podem produzir toxinas (especialmente “micotoxinas”). Os perigos causados pelo bolor que pode causar micotoxinas devem ser considerados da mesma forma que outros tipos de bolor comuns que podem desenvolver-se em sua casa. Nem todos os fungos produzem micotoxinas e mesmo aqueles que produzem não o fazem sob todas as superfícies ou condições ambientais.

O crescimento de bolor, que muitas vezes assume o aspeto de manchas, pode ter muitas cores diferentes e cheirar a mofo.  A cor não é um indicador da perigosidade do bolor.  Qualquer bolor e a fonte de humidade que tenha ajuda ao desenvolvimento do bolor devem ser removidos.

Ocorreram muito poucos registos de bolor toxigénico no interior de casas que possam causar condições de saúde únicas ou raras, tais como, hemorragia pulmonar ou perda de memória. Estes casos são raros e não foi comprovada uma ligação causal entre a presença de bolor toxigénico e estas condições.

*Links para informações em inglês

Página revista pela última vez a: 16 de dezembro de 2019
Fonte do conteúdo: National Center for Environmental Health (Centro Nacional para a Saúde Ambiental)

Page last reviewed: August 4, 2020